6 em cada 10 pessoas foram vítimas de fraude financeira em 12 meses


A pandemia da covid-19 aumentou o volume de compras online e consequentemente as fraudes ocorridas pela internet. Pesquisa realizada pela CNDL/SPC Brasil (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e Serviço de Proteção ao Crédito, em parceria com o Sebrae, aponta que seis em cada 10 internautas sofreram algum tipo de fraude financeira no Brasil nos últimos 12 meses.


O número representa aproximadamente 16,7 milhões de brasileiros lesados por golpes virtuais e aponta um crescimento de 28% em relação à pesquisa realizada em 2019.


• As mulheres são a maioria das vítimas (51%) é mulher; • 49% são homens; • 56% pertencem à classe C; e • 44% na classe A/B.


Considerando o ranking das fraudes investigadas, estão entre as cinco principais:


• Não receber por um produto ou serviço que comprou (41%); • Aquisição de produtos ou serviços que veio diferente das informações especificadas pelo vendedor (41%); • Clonagem de cartão de crédito ou débito (24%); • Golpes por meio de ligação, e-mail, SMS ou WhatsApp informando que a vítima tinha direito a receber um dinheiro, e para conseguir a quantia, deveria fornecer dados pessoais e bancários, além do pagamento de honorários (17%); e • Pagamento de falsa cobrança por meio de depósito, boleto falsificado ou adulterado (15%).


Entre os internautas que caíram nesse tipo de golpe, as cobranças mais citadas vieram de:

• Lojas e empresas (44%); • Bancos e financeiras (26%); • Serviços de TV por assinatura e/ou internet (24%); • Telefonia fixa ou móvel (9%); e • Contas básicas, como as de luz (6%) e água (3%).

José Cesar da Costa, presidente da CNDL, diz que é importante que consumidores, empresas e poder público se unam por um debate mais amplo e por medidas que tragam mais segurança para a população.

Torun

28/06/2021 13h13