top of page

Dataprev nega vazamento de dados, mas demite diretor de segurança

Atualizado: 3 de mai. de 2021

Rumores sobre um vazamento enorme na Dataprev, que teria afetado 270 milhões de brasileiros, começaram a circular na última terça-feira (2). A estatal veio a público para negar que isso tenha acontecido; mas, nos bastidores, o presidente da empresa demitiu o coordenador geral de Segurança da Informação.


Houve vazamento na Dataprev?


O suposto vazamento foi relatado pelo CISO Advisor, com base em um anúncio veiculado na dark web. O hacker alega ter 57 bases de dados sobre 270 milhões de brasileiros; as informações estariam atualizadas até julho de 2020.


No entanto, foi apurado que não foi divulgada uma amostra dos dados para conferir sua veracidade. Na verdade, o anúncio nem menciona quais informações estariam nessas bases de dados; o CISO Advisor especula que “muito provavelmente deve conter nome, CPF, e-mail, endereço, entre outros”.


Vale notar que, no vazamento de 223 milhões de CPFs, o vendedor oferecia uma prévia de todos os dados pessoais inclusos, como fotos de rosto, informações sobre dívidas, score de crédito, renda e documentos como RG, título de eleitor e PIS.


Dataprev nega vazamento


“Não há registros de incidentes de segurança e nem indícios de vazamento de dados por ataques cibernéticos nos bancos e bases de informações sob a guarda da Dataprev”, diz o posicionamento.


Além disso, a estatal afirma que “os quantitativos de dados e bases relatados pelo portal Ciso Advisor não coincidem com as informações hospedadas pela Dataprev”. Ela também nota que não houve nenhum exemplo dos dados obtidos como forma de comprovar sua veracidade.


A empresa possui um Centro de Operação de Segurança com especialistas ativos 24 horas por dia, sete dias por semana, para monitorar e combater ameaças de segurança; além disso, ela garante que possui “um perímetro com diversas camadas e soluções de proteção em sua infraestrutura”.

Torun

04/02/2021


bottom of page