top of page

Governo eleva de 3,2% para 3,5% estimativa de alta do PIB em 2021 e vê inflação mais alta


A expectativa de inflação subiu de 4,42% para 5,05%, valor próximo ao teto de 5,25% do sistema de metas. As informações foram divulgadas no Boletim Macrofiscal.


O Ministério da Economia elevou de 3,2% para 3,5% a expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021.

A informação foi divulgada nesta terça-feira (18) pela Secretaria de Política Econômica da pasta, por meio do Boletim Macrofiscal.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Para o ano de 2022, a previsão oficial de alta do PIB do governo federal foi mantida em 2,5%.

As expectativas para o nível de atividade foram feitas em meio à pandemia de Covid-19. Nos primeiros meses deste ano, o número de contaminados subiu, assim como as mortes, caracterizando uma segunda onda no país.

"Deve-se salientar que a incerteza nas estimativas atuais ainda permanece significativamente elevada. Ademais, as projeções da atividade para este e para os próximos anos tornam-se particularmente sensíveis à divulgação dos dados e ao desenrolar dos efeitos da Covid-19 e do processo de vacinação, principalmente considerando os seus efeitos no PIB de longo prazo", informou o Ministério da Economia.

Economia mundial


Segundo o Ministério da Economia, apesar da maior divergência na expectativa de crescimento entre os países, há melhora do PIB global, puxada pelos países desenvolvidos.

Os bons resultados da atividade brasileira no começo deste ano, de acordo com o ministério, indicam que a economia manteve a tendência de crescimento, apesar do fim do auxílio emergencial.


"O cenário global mais favorável, embora ainda incerto, afetará positivamente o Brasil ao longo de 2021. Os indicadores econômicos no primeiro bimestre deste ano mostram que a atividade brasileira, a despeito do fim do auxílio emergencial, permaneceu em trajetória de elevação", informou.


"Dessa forma, a manutenção da agenda de consolidação fiscal e das reformas estruturais possibilita que a continuidade da expansão econômica se mantenha, assim como a redução estrutural da taxa de juros e elevação da produtividade", acrescentou.

Torun

18/05/2021 11h17


bottom of page