top of page

Margem Negativa pode fazer Empréstimo Consignado?

Atualizado: 5 de mai. de 2021



Foi pego de surpresa e está com a margem negativa? Saiba que ter margem consignável negativa não é o fim do mundo.


Confira as dicas exclusivas a seguir para se ver livre dela!


Minha margem está negativa. Posso fazer empréstimo consignado?

Infelizmente, sem margem consignável não é possível realizar um novo empréstimo consignado. No entanto, existem outras alternativas viáveis para voltar a ter margem, sem prejudicar o bolso.


Mas, afinal o que é margem negativa e de que forma ela impacta no fluxo financeiro?


O que é Margem Negativa?


A margem consignável define o valor máximo do empréstimo consignável e da sua parcela.


Esse valor não pode ultrapassar 35% da renda total líquida, sendo 5% destinado para o uso em cartão de crédito exclusivo.


Como o empréstimo consignado está sujeito à disponibilidade de margem disponível, cada novo empréstimo vai reduzindo esse valor.


Atingindo o limite de margem, não é possível contratar outro empréstimo. Conforme as parcelas vão sendo quitadas, é liberado novo saldo.


Como o valor das prestações mensais é descontado direto do contracheque, aposentadoria ou pensão, quando há outros valores que são debitados do salário ou benefício INSS, também vai deduzindo o valor líquido.


Por consequência isso também compromete a margem, podendo torná-la negativa.

Saiba o que é margem negativa no contracheque e como evitá-la.


Margem negativa no contracheque. O que significa?


Quando a margem aparece como negativa no contracheque, holerite ou extrato de pagamento do benefício INSS, significa que a capacidade de pagamento está comprometida.


Dessa forma, é importante tomar medidas que ajudem a estabilizar novamente o orçamento pessoal e familiar.


Mas o que faz com que a margem INSS ou margem SIAPE fiquem negativas no contracheque? 


Geralmente o saldo fica negativo, em função de descontos ou retenções não consideradas antes ou obrigatórias por lei (como pensão alimentícia, contribuições sindicais).


Outro motivo comum é a Reserva de Margem Consignável, associada a emissão de um cartão de crédito, sem o consentimento do tomador do empréstimo. 


Se antes de contratar o empréstimo, o interessado realizar diversas propostas em diferentes bancos, pode ocorrer também uma reserva em duplicidade. Neste caso, a negociação pode ser reprovada ou não averbada.


Então, será que é possível evitar que a margem consignável fique negativa? A resposta é sim. Confira as dicas para manter sua saúde financeira e evitar outros problemas.


O que fazer para evitar ter margem consignável negativa?


Uma boa recomendação é fazer um planejamento inteligente das finanças (mesmo antes de contratar o crédito consignado).


Como as rendas variáveis ou 13º salário, por exemplo, não influenciam no valor da margem. É preciso ficar atento também aos descontos de associações sindicais ou descontos indevidos.


Nestes casos, o tomador do empréstimo deve verificar ou informar diretamente o Departamento de Recursos Humanos do órgão pagador ou Previdência Social.


É preciso lembrar que todo desconto realizado no salário ou benefício INSS, mantem a margem mas reduz o valor do empréstimo e das parcelas permitidos.


Mas e se ocorrer de não conseguir evitar essa situação? Aproveite para conferir as alternativas para recuperar a margem.


Alternativas para quem está com a margem negativa


Ao tomar um novo empréstimo, Aposentados, Pensionistas, Servidores Públicos, Trabalhadores com carteira assinada e Militares das Forças Armadas, estão sujeitos à disponibilidade de margem.


Desta forma, quando o interessado já tem 35% da renda comprometida, tem o seu limite pessoal atingido. E isso o impede de contratar novo empréstimo consignado.


No entanto, existem alternativas não apenas para solucionar esse problema, como também liberar novo crédito, sem a necessidade de realizar nova contratação.


Saiba mais sobre o refinanciamento, portabilidade de crédito e cartão de crédito consignado.


Refinanciamento do Crédito Consignado


O refinanciamento do crédito consignado pode ser entendido facilmente como a troca da dívida atual por outra, com a liberação de novo crédito (troco).


No refinanciamento com margem negativa, o empréstimo atual é refinanciado e volta a ter suas parcelas descontadas do contracheque.


O tomador pode decidir manter ou aumentar o prazo do contrato original e o valor da parcela. Essa operação libera um saldo credor para o cliente.


Quanto maior o numero de parcelas já pagas dos contratos atuais, maior a chance de conseguir o refinanciamento.


Portabilidade de Crédito


Diferente do refinanciamento, a portabilidade de crédito transfere o crédito atual para um novo banco. Assim, o novo banco “assume sua dívida”, pagando o banco da dívida original. 


Esse processo também é conhecido como compra de dívida.


Um dos maiores motivos de quem procura a portabilidade de crédito é reduzir a taxa de juros.

Com a redução da taxa de juros, geralmente o Custo Efetivo Total (CET) também é reduzido, o que impacta no valor das parcelas, trazendo economia para o bolso e liberando nova margem consignável.


A portabilidade com margem negativa só é possível em alguns bancos, mas tem sido praticada com mais frequência facilitando a vida dos consumidores.


Cartão de Crédito Consignado


Como do total da margem disponível 5% pode ser utilizado com o cartão de crédito consignado, essa também pode ser uma alternativa para saldar outras dívidas.


Como o limite do cartão de crédito cai na mesma conta corrente ou pode ser sacado, pode ajudar a cobrir as despesas não planejadas.


Embora muitas financeiras garantam conseguir aprovação de crédito para quem está sem margem, é preciso ficar atento.


Na maioria das vezes o crédito oferecido é o crédito pessoal (com taxas de juros mais altas), o que pode vir a comprometer ainda mais o orçamento.


A positivação da margem consignável pode ser realizada sim, mas para evitar problemas é melhor fazer da forma correta.

Torun

14.10.2020