Veja qual será o valor do salário mínimo de 2021 proposto pelo Governo!

Atualizado: 6 de mai. de 2021


O governo revisou o valor e reduziu a proposta inicial de salário mínimo de 2021. Qual a nova proposta para sabermos o valor do salário mínimo no próximo ano?




Qual será o valor do salário mínimo de 2021?


Foi anunciado no dia (31) que o novo salário mínimo em 2021 será de R $ 1.067 (aumento de R $ 22,00). O projeto de orçamento de 21, enviado ao Congresso entrará em vigor no dia 1° de fevereiro.


Em maio deste ano, o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) era de US $ 1.079. O motivo da queda deve-se basicamente à queda da inflação provocada pela retração econômica. Mesmo em abril com a pandemia, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 2020 era de 3,19%.


No entanto, conforme divulgado no último comunicado macro fiscal da Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia, o índice reajustado neste ano é de 2,09%.


Outros parâmetros foram atualizados no projeto do orçamento. Entre eles:

  • Dolár médio: deverá chegar a R$ 5,11, contra a estimativa inicial de R$ 4,29.

  • IPCA (índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo): que passou de 3,65% para 3,24%.

  • SELIC (taxa básica de juros da economia): com previsão de fechamento em 2021 de 2,13% ao ano (frente a projeção de 4,33% da LDO.

  • PIB (Produto Interno Bruto): que passou de 3,3% para 3,2% em 2021;

Salário mínimo de 2021 terá reajuste pela inflação.


Com a confirmação do anúncio oficial, o reajuste do salário mínimo será corrigido apenas pela inflação.


Vale lembrar que essa correção é o valor mínimo estipulado na Constituição, portanto, não pode ser inferior àquele ano. Se aprovado, este será o segundo ano consecutivo em que não há uma política real de reajuste do salário mínimo. Portanto, o valor é limitado apenas pela inflação.


Nos últimos anos, a lei previu os reais benefícios do crescimento econômico. Por isso, a diferença é maior porque tem "ganhos reais" superiores à inflação.


Como foi em 2020?


Este ano, o salário mínimo foi reajustado duas vezes:

  • Aumento de R$ 998 para R$ 1.039 (Portaria nº 914 de 13 de janeiro de 2020);

  • Aumento de R$ 1.039 para R$ 1.045 (Medida Provisória nº 919, de 30 de janeiro de 2020).

A atualização do salário mínimo deve-se à revisão do valor da inflação em 2019. No cálculo inicial, esse valor foi estimado com base em projeções financeiras. Em seguida, foi reajustado de acordo com o próprio INPC do Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE).


Segundo os economistas, o preço ainda está muito abaixo do nível necessário porque todos os outros custos baseados na inflação são ajustados a cada ano. Lá, "a conta não foi fechada", passou a pesar mais no bolso da população.


Por exemplo, considere apenas que se o índice for a própria inflação, então não há ganho real. Portanto, o poder de compra dos cidadãos diminui ano a ano.


Reajustes salariais e despesas públicas


De acordo com dados do governo, para cada gasto real adicional após o reajuste do salário mínimo, o gasto federal aumentará em aproximadamente 355 milhões de reais.


Isso porque o salário mínimo também é a base para a definição dos benefícios previdenciários do INSS. Portanto, se o salário aumentar, os resultados financeiros de aposentadoria e pensão também serão ajustados.


De acordo com a lei, o valor pago aos aposentados e pensionistas do INSS não pode ser inferior a um salário mínimo.


Salário mínimo e Margem Consignável


Outro resultado do aumento do salário mínimo em 2021 é a atualização da base de cálculo dos empréstimos salariais, que é descontada do salário dos beneficiários do INSS.


O atual depósito confiavel é de 35% e considera o valor mensal recebido pelos aposentados ou aposentados que optam por este método.


Destes, 30% é reservado para empréstimos e 5% para um cartão de crédito específico.


Com o salário mínimo vigente, a margem em reais é de R $ 313,50 (30%). Se o salário mínimo em 2021 for alterado para R $ 1.067, ele passará a ser R $ 320,10.


Na verdade, esse valor significa que a soma de todas as partes de um contrato válido não pode exceder essa soma. Os aposentados podem ter até 9 (nove) contratos de empréstimo e 1 (um) cartão de crédito consignado ao mesmo tempo.

Torun

02/09/2020